Luz de Esperança

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

Somos bombardeados diariamente por notícias não muito animadoras. Os números de casos de Covid-19 e de mortes ocasionadas pelo vírus só crescem no País, crises políticas aumentam dia a dia e o futuro está incerto. Mas é preciso buscar esse tempo de isolamento físico – para quem tem a oportunidade de ficar em casa – a fim de aprimorar o conhecimento, aprender novos talentos, e, principalmente, ficar mais próximo e cuidar de quem se ama. Unindo tudo isso fica mais fácil manter a luz da esperança de dias melhores acesa.

É o que tem feito a entrevistada de capa, a atriz Lilia Cabral. Ela, que preparava uma peça para estrear, adormeceu os planos e está em casa, desde que a quarentena começou. Está aproveitando para ler, assistir a séries, e ser espectadora de um dos mais importantes papéis de sua carreira, a sua primeira protagonista, Griselda, de Fina Estampa. Uma mãe que não mediu as consequências para criar seus filhos de forma digna e que, mesmo após ganhar na loteria, tratou de educá-los da maneira que sempre presou: clamando pelo esforço individual e, principalmente, honestidade. “Acho importante a preocupação da emissora em poupar a equipe (de Amor de Mãe), mas estou louca para que tudo isso passe logo e a gente possa ver a Lurdes (Regina Casé) descobrir quem é Domênico (Chay Suede)”, brinca.

O quesito se reinventar também é mostrado na reportagem de Comportamento, em que uma nova paixão é exaltada pelos brasileiros durante a quarentena: o cultivo de plantas. Além de melhorar a energia da casa, a prática é terapêutica. Confira também a edição revista da fotobiografia da atriz e cantora Bibi Ferreira (1922-2019), como o setor de eventos está se reinventando para permanecer no mercado, inclusive o de casamentos, e de que maneira arquitetos e decoradores estão trabalhando em tempos de isolamento físico. 

Aproveito para usar aqui uma frase genial do escritor paraibano Ariano Suassuna: “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso.” Eu fico com a terceira opção. E vocês? 

Miriam Gimenes




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2020. Todos os direitos reservados