Não se trata de mero detalhe

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Natália Scarabotto - Especial para o Diário <br> Edição: Kelly Zucatelli

Um objeto de decoração aqui, outro ali e o ambiente fica mais charmoso. Os bibelôs são peças fundamentais para dar toque pessoal à casa. Variedades de tamanho, formato, estilo e preço não faltam nas lojas especializadas. Em meio a tantas opções, alguns se destacam mais. Nos últimos meses, os produtos mais procurados são os que têm formato de animais e os coloridos, como azul, roxo ou rosa. Os tradicionais vasos e pratos também estão em alta.

Para a arquiteta Thais Kalitin, atualmente o estilo predominante nas casas é o moderno-contemporâneo, que permite fazer um mix de acessórios diferentes como pop art e clássicos. “É possível misturar tudo de forma que fique agradável e elegante. Mas é necessário ter cuidado ao combinar as peças e lembrar que menos é sempre mais.”

Cada item precisa se encaixar no gosto e no estilo da pessoa. Para uma casa mais jovem e descontraída, por exemplo, os cachorrinhos da raça pug e as corujas estão em alta nas estampas de camiseta, acessórios e, claro, nas lojas de decoração. O elefante, animal símbolo da sorte, também está ganhando espaço em diversas casas. O artigo é perfeito para enfeitar a sala ou escritório com elegância e classe. Ainda no estilo de bichos, os passarinhos são clássicos. Em tom de azul está duas vezes na moda: no formato e na cor, uma delicadeza tanto para a cozinha quanto para a sala de jantar.

Outro bibelô que pode ser encontrado em estilo mais descontraído é o abacaxi. A versão de metal e monocromática combina com a sala de estar, enquanto a versão mais colorida e com materiais mais leves orna com a cozinha. O cacto é uma peça pop art, inusitada, e serve para ambientes mais joviais.

A cor também não sai de moda. Tanto nos pequenos como nos grandes objetos cores mais quentes ou mais frias quebram a monotonia do espaço e chamam a atenção. “Cores como preta, branca e até em madeira são ideais para peças maiores que ficam mais visíveis, como sofás e mesas, e deixam o ambiente sofisticado. Ao mesmo tempo, detalhes coloridos, em objetos, almofadas e tapetes, mudam o espaço e são mais flexíveis para substituir por novos”, explica Thais.

Ainda de acordo com a especialista, os itens da tendência são interessantes. Mas encontrar um estilo próprio e atemporal é importante. “Viver em função da tendência pode ser complicado e arriscado. Querer trocar ou combinar tudo sempre ou combinar conforme o que dita a moda de uma época pode não dar certo”.

As silhuetas também fazem sucesso. A miniatura do filme norte-americano Os Caça-Fantasmas (1984) fica interessante em qualquer lugar da casa. Já bonequinhas em biquíni retrô feitas em resina combinam mais com o quarto. Esculturas de homens em posição de ioga em tons escuros são mais propícias para ambientes formais.

Para quem prefere objetos decorativos simétricos e que nunca saem de moda os vasos são a melhor opção. Eles são peças-chave e podem ser utilizados com ou sem flores. “Os mais limpos e transparentes são bons para combinar com arranjos naturais de flores. Já os mais coloridos e em materiais diferentes (que variam desde o cristal até o murano) compõem a decoração da sala de estar, do hall de entrada ou do quarto de casal”, afirma a especialista.

Seja na parede ou apoiados em suporte em cima de algum móvel, os pratos são tradicionais e podem ser encontrados nos mais variados preços e estilos. As peças são usadas também para montar coleção ou reaproveitar uma herança de família. “Muita gente vê isso como um mimo que dá vida ao ambiente. Sempre foi item de família, passado de geração para geração, mas atualmente também existem pessoas que colecionam pratos comprados em viagens ou de artistas”, diz Thais.

Seja qual for o estilo, sempre existe um bibelô que combina com cada cômodo da casa e, claro, com você.

 



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados