Com todo o respeito

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Vanessa Soares

O sucesso sempre é consequência de um trabalho benfeito. Diz o ditado que ‘quem planta, colhe’. Essa máxima da lei da semeadura prova que ninguém planta chuchu e colhe abacaxi. Então, não dá para esperar nada além daquilo que se dispôs a oferecer.

O ator João Baldasserini, 32, sabe bem o que é isso. Apaixonado pelo ofício que escolheu como profissão, o paulista de Indaiatuba, no Interior de São Paulo, colhe hoje os bons frutos da fama, resultado de todo o esforço e dedicação que ele empenhou na carreira desde que descobriu que era isso o que queria da vida. “Desejo fazer coisas muito boas e a fama é consequência de tudo. Só quero se eu tiver motivo para isso. Não quero fama de graça”, afirma.

 

Mas se engana quem pensa que essa descoberta aconteceu de forma simples. O encontro com o teatro aconteceu apenas aos 17 anos, quando mudou de colégio e planejava estudar para passar no vestibular de Direito. No entanto, junto com a preparação para o processo seletivo vieram também as primeiras aulas de teatro. “Comecei sem nenhuma pretensão”, relembra.

Foi então que sua mãe, a cantora Kika Baldasserini, percebeu que ele gostava daquilo, que se dava bem e tinha interesse. “Ela me perguntou: ‘Por que você vai fazer Direito?’ É para mim? Só para fazer uma faculdade?”. E hoje, se está onde está é porque a mãe teve a sensibilidade de perceber aquilo que o faria feliz e deu todo incentivo que precisava para criar asas e voar rumo ao destino que o universo tinha preparado. “Com certeza o apoio da minha mãe foi fundamental”, declara, agradecido. E era o único empurrão que faltava. “O teatro veio e me arrastou. Comecei a me interessar, a me conhecer, a brincar, a descobrir o que é o teatro e sua magia”, conta.ez sua estreia na novela Tempos Modernos, na Globo. De lá para cá foram diversos personagens, como Henri, em O Astro, Victor, em A Regra do Jogo, e alguns outros em filmes e séries nas TVs aberta e fechada. Mas o ator deseja alcançar mais.

No ar como Beto, em Haja Coração, também na Globo, o artista tem mostrado a que veio. Apesar de o personagem não ser uma unanimidade, Baldasserini se orgulha, e muito, de ter aceitado esse papel. “O Beto é muito rico, humanamente falando. Tem drama, conflitos internos, precisa se superar, aprender. Ele causa um estranhamento nas pessoas. Eu não o vejo como vilão. Ele toma atitudes erradas, mas percebe, se arrepende. Ele não é bonzinho ou malzinho. Eu vejo tudo ali, esse combo de emoções, de conflitos, de superação. Tem gente que gosta, que compreende isso. É como eu sou. Como o João é. O João é divertido, é legal, mas também faz besteira”, reconhece.

Outros trabalhos estão nos planos para depois da novela, mas ainda não há nada confirmado. A única coisa que o ator deseja é continuar fazendo aquilo que mais ama na vida. “Espero ter espaço para poder me expressar e mostrar trabalho. Não quero nada barato. A fama é um lugar de respeito. Você tem que ter consciência de muita coisa. Eu lido com respeito. Se estou merecendo, se é uma coisa que estou trabalhando bem, aceito”, finaliza.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados