Depressão e alimento

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Alessandra Paula Nunes

 Considerada hoje o mal do século, a depressão acomete indivíduos de todas as idades. As alterações químicas que ocorrem no cérebro, principalmente relacionadas aos neurotransmissores serotonina e dopamina, fazem com que o indivíduo depressivo perca a cada dia a vontade de se relacionar, de trabalhar e, em alguns casos, de viver.

 
Entre os sintomas, estão tristeza, alternância de irritabilidade, ansiedade, angústia, desânimo, cansaço extremo, diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades que antes eram consideradas agradáveis, desinteresse, falta de motivação, apatia e falta de desejo sexual. O tratamento deve abranger dimensões biológicas, psicológicas e sociais, além de mudanças no estilo de vida e a terapia farmacológica. Melhor do que tratar a depressão é tentar impedir que ela se instale.
 
Para evitá-la e afastar alguns, podemos contar com o auxílio de determinados alimentos que contêm propriedades diferenciadas, como:
 
Leite e iogurte – Fontes de triptofano, aminoácido que ajuda no combate da depressão e melhora o humor, por aumentar a produção do neurotransmissor serotonina.
 
Mel – O mel é boa alternativa de alimento por também estimular a produção da serotonina.
 
Melancia – É rica em tirosina, aminoácido que é convertido no neurotransmissor dopamina. Ele tem ação estimulante no sistema nervoso e está ligado a sensações de prazer e bem-estar.
 
Carnes Magras e Peixes – São alimentos ricos em triptofano e, dessa forma, contribuem aumentando a produção de serotonina pelo organismo. Além disso, os peixes são fontes de ômega 3, gordura poli-insaturada que estimula a síntese de dopamina, neurotransmissor indispensável.
 
Castanha do Brasil – Fonte de selênio, acelera a atividade cerebral afastando a depressão. Além disso, é um poderoso antioxidante, que combate os radicais livres e evita o envelhecimento celular precoce.
 
Chocolate amargo – Estimula a síntese e liberação de serotonina e endorfina, melhorando o humor e proporcionando sensação de bem-estar.
 
Aveia e Banana – Também são ricas em triptofano. A dupla banana com aveia é infalível.
 
Brócolis – É um alimento fonte de ácido fólico, o qual está associado ao aumento da dopamina jogada no corpo.
 
Para que os alimentos citados tenham o efeito esperado, é necessário incluí-los frequentemente no cardápio e evitar o consumo de açúcares refinados, além de gorduras saturadas (como as provenientes das carnes vermelhas, queijos amarelos, leites integrais).
 
Atenção: A ingestão desses alimentos não substitui outros tratamentos recomendados, como terapia e ação medicamentosa, sendo apenas aliados para melhora e prevenção do quadro.



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados