Amor fraterno

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

 Uma das lembranças mais nítidas que tenho da minha primeira infância é a do dia em que fui buscar meu irmão e minha mãe na maternidade. Vejo, com todas as ‘cores’, ela com ele nos braços, saindo pela porta do hospital e entrando no carro. Também recordo do encantamento que tinha com seus pezinhos gorduchos e das sonecas que tirava todos os dias à tarde, o que me impedia de fazer barulho para não incomodá-lo. Detalhe: eu tinha pouco mais de 2 anos.

É certo que a convivência entre irmãos não é sempre das mais harmoniosas. Mas, com certeza, o amor fraterno é um dos mais sublimes que se pode ter oportunidade de desfrutar em vida. E, dia desses, deparei com um vídeo na minha timeline que me fez repensar este tipo de relação. Na filmagem, o garoto Henrique Soares Dias, 6, recebia dos pais a notícia de que ganharia um irmãozinho. Emocionado ­– o que arranca lágrimas de qualquer um que assiste ao vídeo ­–, parece não acreditar, tamanha a felicidade, e agradece a Deus pela graça concedida.
A sua mãe, a palestrante Gabriela Dias, 33, que mora em Criciúma, Santa Catarina, diz que desde os 3 anos ele implora por um (a) irmãozinho (a). “Não podia levar ele em aniversário de criança, chá de bebê, que se ajoelhava e pedia. Tinha gente que dizia: ‘Nossa, você não tem coração’. Mas tudo tem o tempo certo de Deus”, diz. A correria do dia a dia, os compromissos profissionais, a preocupação com a possibilidade de ter dois filhos fizeram ela e o marido, o jornalista Ricardo Dias, adiarem a decisão, que veio no início deste ano. Gabriela está grávida de pouco mais de seis semanas.
E a expectativa do filho era tão grande em ter um irmão que eles decidiram gravar a reação para mostrar aos familiares. “Fiquei até assustada (com a repercussão nas redes sociais), mas feliz com os comentários, que falaram sobre a questão do amor. Teve quem disse que vivemos em um tempo em que este sentimento parece estar esquecido e agradeceu por dividir vídeo, que mostra que o amor não acabou e pode ser cultivado, seja ele qual for.” Em apenas dois dias de compartilhamento ­­– na página do Face Palestrante Gabriela Dias ­– foram mais de 1,5 milhão de visualizações e 25 mil compartilhamentos. E eu, que estou na dúvida se tenho ou não mais um, fiquei, digamos, mexida. Afinal, irmão é mais que um laço sanguíneo: é um amigo para toda a vida.
 



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados