Pará e suas peculiaridades

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

 Maior feira ao ar livre da América Latina, o Mercado Ver-o-Peso, que fica às margens da Baía do Guajará. em Belém, no Pará, foi um dos cenários escolhidos para a nova trama da Rede Globo: A Força do Querer. A equipe da novela, escrita por Glória Perez, ficou durante quase uma semana gravando nos principais pontos turísticos e comerciais da cidade e o resultado pode ser visto a partir do dia 3, às 21h.

E uma das cenas chamou a atenção dos frequentadores do mercado: o ‘mocinho’ do folhetim, Zeca (Marco Pigossi), carregava sua noiva, Ritinha (Isis Valverde), que estava vestida com uma cauda de sereia. A personagem vive em Parazinho, vila fictícia próxima a Belém, e costuma, assim como todo morador ou turista que passa por lá, frequentar a feira.

Entre as locações durante o período que a equipe passou por lá, estavam o Cais do Porto, as barraquinhas que vendem alimentos e artesanatos, a parte da venda de banhos de ervas – tradição muito forte por lá – e a feira do açaí, que foi cenário do dia mais trabalhoso de gravações no mercado.

Pigossi aproveitou os intervalos para ‘beliscar’. “Adoro castanha-do-pará e provei o açaí. Curti a cultura da cidade, que é muito rica, mas o que levei de lembrança foi a comida mesmo”, diverte-se.
Rodrigo Lombardi, que na trama fará Caio, ficou impressionado com a arquitetura local. “Lá tudo é histórico. Amei a culinária também, fiquei louco com filhote, peixe típico da região, queria muito poder encontrar esse peixe em outros lugares.”

Há também quem tenha aproveitado os dias de trabalho para conhecer mais a fundo a cidade. É o caso de Dan Stulbach (Eugênio). “Visitei o Forte do Castelo e gostei muito. Tem um museu bem interessante lá dentro e a vista do alto para a cidade e para o Ver-o-Peso é linda”, afirma. O forte a que ele se refere é conhecido popularmente como Forte do Presépio. Em suas instalações funciona o Museu do Encontro, que conta um pouco do início da colonização portuguesa na Amazônia. Outro museu famoso é o Histórico do Estado do Pará, no Palácio Lauro Sodré, que abriga exposições de artistas contemporâneos.

Embora tenha buscado história, Dan não ficou imune à natureza local. “Ela é forte, é o perfume da cidade. Faz muito calor e depois chove bastante. A natureza é forte, intensa e está por todos os lados. Acho muito legal a gente falar do nosso País. Temos vários dentro de um só, e esse Brasil do Norte é muito rico, deve ser celebrado”, finaliza.

GASTRONOMIA.
Como é perceptível, as iguarias servidas no Pará conquistaram, em cheio, o paladar dos atores. Não é para menos: é um prato melhor do que o outro. Acima, o famoso Pato no Tucupí e, abaixo, o Tacacá. “A culinária é o que Belém tem de mais especial. Amei a maniçoba e o Pato no Tucupi, além dos sorvetes diferentes, experimentei quase todos. Gosto do açaí da forma como é feito lá”, disse Dan Stulbach.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2017. Todos os direitos reservados