Qual o caminho certo?

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

Quem é responsável por uma criança geralmente tem dúvidas em relação à sua educação. E tenho certeza de que quase todas as vezes – digo isso por experiência própria – acha que fica devendo em algum quesito: seja na hora de oferecer atenção, no momento certo para brincar, na bronca dada (ou não), na autonomia dispensada de acordo com a idade, entre outras situações do cotidiano. Nunca se sabe sobre a linha tênue entre o certo e errado. Afinal, você sabe responder qual o limite do zelo e quando o ‘deixar ir’ se torna descaso? Confesso que não sei.

Foi a fim de ajudar a quem passa por isso, que o casal, Luciana Brites e o Dr. Clay Brites, profissionais experientes na área da educação, lançam agora em março a obra Como Saber Do Que Seu Filho Realmente Precisa? – Aprenda os 7 Pilares da Educação e Tenha Certeza de que está Preparando seu Filho para a Vida (Editora Gente, 160 páginas, R$ 29,90) , que ‘disseca’ esses dilemas. Além do know-how profissional, eles, que são casados, falam com propriedade de causa, já que têm filhos com 9, 14 e 17 anos.

A ideia de fazer a publicação surgiu porque os profissionais notaram a apreensão cada vez maior dos pais pelas inúmeras mudanças na vida moderna, principalmente por conta da correria do dia a dia . “A gente vê que existem muitas coisas que estão sendo perdidas em função do tempo. O que acontece? Esse pai e mãe, por conta da falta com as crianças, acabam sendo extremamente permissivos. Pensam: ‘Como não posso dar meu tempo e minha atenção compenso com outras coisas: bom colégio, bom computador... Hoje temos essa questão do consumo muito evidente e cria-se a educação compensatória, o que só prejudica esta criança”, analisa Luciana.

A fim de mudar essa realidade, os profissionais esti-pulam na obra os pilares fundamentais que devem estar presentes na formação de qualquer criança. Entre eles estão educar para as frustrações (lidar com o ‘não’); para as decisões (o poder das escolhas); para os conflitos, o diálogo (ensinar a falar), para realização (estimular a colocar as ideias em prática), aprender (estarem abertos para coisas novas) e para serem felizes (isso está alicerçado no ter ou no ser?). “São coisas importantes que devem estar presente para criar uma pessoa mentalmente sã, que façam diferença no mundo.”

Uma das principais dicas é aproveitar, da melhor forma, o tempo que estão juntos, principalmente nas situações rotineiras como ajudar na lição, na hora da refeição, no cuidado pessoal, entre outras. Esquecer o celular e a televisão são essenciais nestes momentos. “Pequenas atividades como essas já diminuem o risco de drogadição e gera maior desenvolvimento das habilidades de comunicação e inteligência emocional”, ressalta a especialista. Quando o que está em jogo é o futuro do seu filho, a qualidade sobrepõe a quantidade, sempre.

 

 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2018. Todos os direitos reservados