DONO DO RINGUE

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes


 
DONO DO RINGUE

 
Ator Caio Castro vive o lutador de boxe, Rock, em 
‘A Dona do Pedaço’, novela das 21h, da Rede Globo, 
e mostra que ‘luta bem’ em qualquer tipo de papel, 
seja ele amante dos esportes – à exemplo de alguns que já fez na carreira – ou dando vida para personagem histórico, como o príncipe regente

 
Fotos: Divulgação
 
 Fotos: Rede Globo/Divulgação
 
Rocky Balboa é o boxeador mais famoso do cinema. Criado e vivido pelo norte-americano Sylvester Stallone, enfrentou durante toda sua carreira adversários que o colocaram para suar em cima dos ringues. E venceu. Ninguém melhor, portanto, para dar nome ao boxeador vivido por Caio Castro, em A Dona do Pedaço, novela das 21h, da Rede Globo, de Walcyr Carrasco – trata-se de uma homenagem. Tanto que, antes de dar início às gravações, o ator fez laboratório em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde chegou a conversar com o ex-lutador Mike Tyson.
“(Tyson) É uma das minhas referências de infância. Me lembro dos meus pais acordando de madrugada para assistir uma luta dele. Isso me marcou muito e pensei: ‘Por que não conhecê-lo e pegar alguma coisa dele?’. Foi o que eu fiz. Fui para Los Angeles, passei um tempo com profissionais que treinaram ele, fui na academia que ele treinou. No último dia, a gente se conheceu”, lembra o ator, que acaba de completar 30 anos. 
Faixa-preta em judô e azul em jiu-jitsu, o fato é que a conversa deu certo. Caio tem se dado bem nos ringues. É nele que o personagem guarda a esperança de ganhar nome e melhorar de vida. Tanto que, ao que tudo indica, pode ter um romance com o personagem Agno (Malvino Salvador), que investirá no seu sonho em ser ‘o melhor’ – o empresário pedirá striptease para o lutador em troca de patrocínio. “Ele tem um interesse financeiro muito grande, o que pode causar problemas na relação familiar. A grande ambição dele é mudar de vida, tem sonho de ser um lutador de sucesso, vive em função disso”, diz Caio.
“O envolvimento amoroso, por enquanto, é com a personagem da Nathalia Dill (Fabiana). Mas terá uma possibilidade, mais para frente, de um envolvimento com o personagem do Malvino Salvador”, admite o ator. Segundo ele, a intenção não é levantar nenhuma bandeira. “Estou aqui pela história, pelo entretenimento, quero que as pessoas se identifiquem. Quero levar um pouco de relaxamento para as pessoas. Não pode ser uma cena gratuita, senão fica apelativo. Se é pertinente, acho mais do que necessário.” O fato é que a cena de strip que fez para a namorada, ao som de Contramão, do cantor Belo,  em meados de junho, levou suas fãs à loucura e seu nome ficou entre os mais comentados da internet. 
E isso sempre foi uma realidade para o ator, desde quando ganhou um concurso no Caldeirão do Huck, em 2007. “Eu assistia muito Malhação. E aí o Luciano Huck junto com o Ricardo Waddington abriram concurso para escolher um casal de atores para fazer a novela na temporada seguinte. Falei: ‘Espera aí, agora sou eu!’. Malhação era o que eu queria fazer, independentemente de ser bom ator no futuro, seguir a carreira. Queria fazer aquilo, àquela hora. E depois de três anos eu sabia mais ou menos como poderia começar a carreira de ator”, lembrou no início do mês passado, enquanto participou do programa Tamanho Família, apresentado por Márcio Garcia. 
Da estreia na telinha para cá foram inúmeros trabalhos. Entre eles Fina Estampa (2011), Amor à Vida (2013) e I Love Paraisópolis (2015), onde interpretou seu primeiro vilão, Grego. Além disso, em 2014 fez uma participação na série Lili, a Ex, do canal GNT, e estreou no cinema vivendo um judoca chamado Max no filme A Grande Vitória – olha a luta aí. Sua segunda participação no cinema foi em 2015, quando filmou o longa Se A Vida Começasse Agora, com o personagem Beto.
O ponto alto, no entanto, foi em Novo Mundo (2017), em que interpretou Dom Pedro I. À época ele disse que diversos professores de história agradeceram porque o seu papel ajudou a despertar nos alunos o interesse pela história do Brasil. Para interpretá-lo, o ator foi para Lisboa, para estudar o linguajar lusitano, e insistiu em usar o sotaque, para imprimir o tom autoral. “Vi muitas crianças imitando esse sotaque. Foi muito legal”, lembra. Não à toa, venceu o Troféu Nelson Rodrigues por sua atuação na trama escrita por Thereza Falcão e Alessandro Marson.

 
 
APRESENTADOR
Não é apenas lutando ou interpretando que Caio Castro se sai bem. No ano passado estreou como apresentador da quarta temporada do reality show Are You The One? Brasil. Idealizou a Expedição Nomads, uma viagem a bordo de um motorhome para a Rússia para participar da Copa do Mundo, entre os meses de janeiro a agosto. Ao lado de dois amigos, Caio percorreu mais de 25 mil quilômetros e visitou mais de 20 países entre Portugal, Marrocos, França, Áustria, Alemanha, Noruega, Polônia, Ucrânia e Croácia.
Ficou nítido como ele ama viajar. Ainda em 2012, Caio percorreu alguns países como Japão, Estados Unidos e França e registrou as imagens no livro É Por Aqui Que Vai Pra Lá – Viagens por um Ano Sabático (Globo Estilo), que nasceu com o objetivo de inspirar as pessoas a viajarem  mais e terem mais tempo para elas mesmas. Na primeira semana após a publicação, o livro se tornou um dos primeiros em vendas. “Eu estava trabalhando há cinco anos direto e já tinha esgotado minha capacidade de criação. Realmente decidi que eu precisava de um tempo, tirei um ano para viajar. Abri mão de muita coisa, mas eu não podia abrir mão da minha saúde. E aí viajei, fiquei muito tempo sozinho, adquiri um autoconhecimento absurdo, fui parceiro de mim mesmo na maior parte das viagens”, lembrou na ocasião do lançamento do livro, no programa Altas Horas, da Globo. 
Amante de aventuras e esportes radicais como surf e paraquedismo, Caio decidiu, em 2016, realizar a expedição CALIxBRA: uma viagem de carro de San Diego, na Califórnia, para o Brasil. A bordo de um Mitsubishi Outlander projetado especialmente para a viagem, o ator percorreu mais de 20 mil quilômetros passando por aproximadamente 13 países durante 70 dias.

 
 
EMPRESÁRIO
Caio também tem tino para os negócios, ramo que pretende investir cada vez mais. Em 2017 anunciou três sociedades: Grupo Blá (responsável por 17 operações entre bares e restaurantes como Blá Bar, Café de la Musique Guarujá e restaurante Pecorino); The Black Beef (lanchonete inspirada no modelo fast casual americano, com unidades em São Paulo e espalhadas por todo o Brasil) e NossoLar Imóveis (construtora localizada no litoral paulista). Esta última foi na cidade onde nasceu, Praia Grande.

 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2019. Todos os direitos reservados