Crueldade animal é crime

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Marcela Munhoz

Se tem um assunto que não canso de abordar é o absurdo da comercialização de animais. Nesta mesma coluna, em março de 2019, tratei sobre a rede Petz proibir a compra e venda de bichos após o canil fornecedor, Céu Azul, ter sido fechado por maus-tratos. Infelizmente sou obrigada a falar sobre o tema de novo. Há pouco mais de uma semana, após diversas denúncias, canil clandestino foi investigado em Mauá e, de lá, descobriram algo maior e mais pavoroso em Ribeirão Pires. Nestes locais, cachorros das raças american bully e buldog francês – usados apenas para reprodução – foram encontrados em condições desesperadoras. Dez foram resgatados pelas equipes da Gerência de Bem-Estar Animal e GCM (Guarda Civil Municipal) de Mauá.

A primeira-dama da cidade, Andreia Rios, participou do resgate e relatou o horror que presenciou. Durante diversos momentos da entrevista, ela se emocionou. “Quando vi tudo aquilo não sabia se chorava, gritava, se sentia pena ou raiva. Nunca tinha visto nada parecido na minha vida. Nenhum ser vivo deveria ser tratado daquela maneira. Eram lugares em que usavam as matrizes (cadelas) para reprodução, inclusive inseminação artificial. Tudo era muito sujo, escuro e minúsculo. Os bichos estavam mergulhados em fezes e urina. As fêmeas tinham as mamas infeccionadas, uma delas estava com o útero e vagina para fora. Um verdadeiro filme de terror. Ela gritava de dor. Quando abrimos as portas eles correram felizes. Parecia que nunca tinham sentido o gosto da liberdade. Fiz questão de trazer todos para serem cuidados, demos comida, tratamento e, principalmente, muito amor e carinho. Só conseguia pedir desculpas por ser humana. Estamos lutando para salvar todos.”

Precisa dizer alguma coisa após o relato acima? Repetirei quantas vezes forem necessárias: não compre animais. A culpa pelos maus-tratos às matrizes também é sua! Sabe de algo? Não fique calado: denuncie!

 

 

 

 




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2020. Todos os direitos reservados