Lar doce lar

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

A atriz Flávia Alessandra, uma das protagonistas de ‘Salve-se Quem Puder’, que teve o trabalho interrompido em razão da pandemia de coronavírus, fala da importância do isolamento.
 
 
Flávia Alessandra, assim como tantas e tantas pessoas, está em casa. A atriz, que é uma das protagonistas da novela Salve-se Quem Puder, que estava na faixa das 19h da grade da Globo, teve o trabalho interrompido por causa da pandemia do novo coronavírus. Com a suspensão das gravações, o folhetim já deu lugar, temporariamente, à novela Totalmente Demais, que foi exibida originalmente a partir de 2015. Mas a atriz, 45 anos, não lamenta a pausa. Para ela, se faz necessário. Enquanto está em quarentena, aproveita para colocar a leitura em dia, rever fotos antigas e falar com seus fãs por meio de sua conta no Instagram. Usa o canal ainda para reforçar a necessidade de se ficar em casa em tempos de pandemia e agradecer aos profissionais da saúde pelo esforço neste momento que a humanidade atravessa.

“Estamos passando por algo que eu, por exemplo, jamais vi em toda a minha vida. Não tem como dizer quantos dias nós teremos pela frente até a vida voltar ao normal”, diz a atriz. Ela afirma ainda que não se trata de um momento que ela veja como especial. Inédito sim. “E muito triste o motivo desse ineditismo. Como brasileira, cidadã, pessoa que habita esse mundo, eu quero é que acabe logo tudo isso. Que a gente tenha segurança para estar trabalhando, perto das pessoas. Este é o meu desejo.”
Sobre a pausa na novela, era algo que ela imaginava que fosse mesmo acontecer. “A própria emissora tem noticiado muito bem o caso. Através do jornalismo da casa, a gente já sabia que é uma situação delicada para o País e o mundo. Tivemos uma reunião e fomos informados da decisão de paralisar os trabalhos como uma forma de proteger os funcionários da casa neste momento. A emissora tem pensado muito em como atravessar este período e, claro, olhando para aqueles que estão lá diariamente trabalhando.”
Sobre a trama, Flávia não consegue adiantar nada sobre o que acontecerá. “Só o nosso autor pode dizer o que ele pretende fazer para o retorno. Daniel (Ortiz) é um autor muito criativo, inteligente, tenho total confiança nas escolhas dele para a nossa história”, diz.
 

Em Salve-se Quem Puder, que foi ao ar até dia 28, Flávia vive a personagem Helena Santamarina, mulher misteriosa e bem-sucedida da alta sociedade. Casada com o empresário Hugo (Leopoldo Pacheco), vive na Capital paulista e administra um local badalado chamado Empório Delícia. Carrega o fato de ter abandonado uma filha, Luna (Juliana Paiva), ainda na infância.
Flávia conta que quando recebeu esse papel, o grande desafio para ela era não saber o passado de sua personagem. E o segredo dela é ter abandonado uma filha.  “Para mim, é quase injustificável. Meu Deus, como uma mãe faz isso?”, questiona. “Para mim foi muito desafiador fazer a Helena, e ao mesmo tempo depois foi se tornando muito estimulante, porque, em 31 anos (de carreira), eu nunca fiz uma personagem assim”, explica.
Esta não é a primeira vez que Flávia e Juliana dividem cenas. Elas já haviam interpretado mãe e filha em Além do Horizonte (2013). Segundo a atriz, Isso ajuda na química no trabalho atual. “A gente lá atrás bateu uma bola muito boa como mãe e filha. A gente ali já era muito próxima. Eu conheço ’tempinhos’ da Ju, conheço reações, olhares dela”, conta. Segundo Flávia, isso facilita o entrosamento.

“Mas tem um outro lado que também é muito bom – com o Felipe (Simas), por exemplo, eu nunca tinha trabalhado. Felipe é um outro lugar de interpretação que já me faz baixar mais o tom, me coloca em outro lugar. Já o Leo (Leopoldo Pacheco) tem umas reações inusitadas, que me deixam sempre em alerta para o que pode vir. É bom também, porque eu nunca havia contracenado com ele. Eu imagino um caminho, quando eu vejo o Leo está fazendo outro. Ele me surpreende.”
A atriz revela que descobre mais sobre seu papel dia após dia, praticamente junto com o público. Ela conta que na internet se criam várias teorias (sobre Helena), e ela se alimenta de todas elas para contracenar com Juliana Paiva. “É um grande desafio. Preciso de uma concentração muito grande quando estou em cenas com a Ju ou falando sobre o passado”. Mas nem sempre é só a curiosidade dos fãs com que Flávia se depara. Ela revela já ter escutado comentários maldoso em relação à sua personagem. “Ouvi vários sim, e eu também os absorvo. Até porque, pode ser que eles tenham razão.”
 

Além dos fãs, há uma outra pessoa que acompanha o trabalho da atriz, é Olívia, 8 anos, filha de Flávia e Otaviano Costa. “É a primeira vez desde Êta Mundo Bom! (2016), que era uma novela deliciosa, que a Olívia está acompanhando uma novela minha de novo. É muito legal, porque há muito tempo eu não via essa geração mais novinha acompanhando uma novela”, diz. Esta trama em questão retornará na grade da emissora em Vale a Pena Ver de Novo, no lugar de Avenida Brasil.
E sobre a personagem da mãe, a jovem reage bem, segundo Flávia. “A Olívia tem convicção, ela me diz: ‘Mãe, você é do bem. Você é boa’. Aí a Giulia (Costa, 20 anos, filha mais velha de Flávia) fala para ela: ‘Olívia, não vai contando com isso não! Porque quando a mamãe fez a Cristina (de Alma Gêmea, em 2005), eu tinha uns 5 anos e sofria muito na escola, porque todas as crianças falavam que a mamãe era má e eu tinha que ficar justificando que ela não era má’. Aí a Olívia fica meio insegura:  será que é, será que não…”, brinca.
E ver a mãe nas telas de TV é algo que empolga Olívia. Mas Flávia ainda não sabe se ela vai seguir seus passos. “Não sei o que ela vai ser. Acho que lá em casa todo mundo é artista. Ela toca, canta… Agora me dirige também”, diz. Até o momento, o desejo da filha é ter um hotel para cachorros. “A vida inteira ela fala isso. Mas não sei. Acho que ela tem a alma de artista também, mas vai se descobrir aos poucos.”
 
 
 



Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2020. Todos os direitos reservados