Muito mais que um grande amigo

Envie para um(a) amigo(a) Imprimir Comentar A- A A+

Compartilhe:

Miriam Gimenes

Malvino Salvador, que está prestes a ter o seu quarto filho, e é um ‘paizão’  em ‘Fina Estampa’, no ar na Globo, tem como sonho manter a família unida

Quinzé criou o filho sozinho. Quando sua mulher, Teodora (Carolina Dieckmann), resolveu abandoná-lo, o menino era ainda um bebê e ele não titubeou em cuidar do pequeno. Fez valer a responsabilidade de pai. Quinzinho é seu bem mais precioso. O rapaz em questão é interpretado pelo ator Malvino Salvador, que está no ar na novela das 21h, Fina Estampa, em reprise na Rede Globo. E ele não é nada diferente do intérprete na vida real já que o manauara, de 44, vai ser pai pela quarta vez – são três meninas Sofia, Ayra e Kyara, e, agora, vem um menino – os três últimos com a lutadora Kyra Gracie. 

Nove anos depois desse trabalho no ar, ele lembra com carinho do momento. “Eu já era pai em Fina Estampa. Minha filha Sofia tinha nascido um ano e pouco antes de a novela estrear. Já tinha desenvolvido em mim aquele instinto paterno de proteção. Faria coisas diferentes (hoje na interpretação), mas não nesse quesito. Mas eu curto muito a maneira como o Quinzé foi construído”, analisa. O ator gosta de olhar para trás e ver como as coisas mudaram em quase uma década. “É interessante! Tanta coisa aconteceu... Amadureci bastante nesse tempo, ganhei experiência de vida e profissional. Foi uma novela especial. Tenho boas lembranças dela. Nos divertíamos muito! Fiz amigos que seguem na minha vida até hoje! Quinzé foi um personagem que gostei bastante de fazer”, ressalta. 

Na história ele é filho de Pereirão (Lilia Cabral) e, junto da mãe, mantém a família unida – tem os irmãos Amália (Sophie Charlotte) e Antenor (Caio Castro). E, para o ator, o a temática principal conversa com os dias de hoje. “O enredo principal, daquela mulher que batalha para cuidar dos filhos sozinha, que os educou sem ter ninguém ao lado. Acho essa parte da história muito atual. O Brasil tem muitas Griseldas, que lutam diariamente para educar seus filhos e sustentar a casa. Gosto muito da enredo envolvendo o Quinzé, a Teodora e o Quinzinho.”

Mas o seu carinho não fica apenas com este personagem. Malvino estreou na televisão como Tobias, em Cabocla (2004), novela de grande sucesso. Depois fez Vitório, em Alma Gêmea (2005), Camilo, em O Profeta (2006). Estreou no horário nobre como Damião, de A Favorita (2008). Veio Fina Estampa, depois Guerra dos Sexos (2012), Amor à Vida (2013), Haja Coração (2016) – que será a próxima reprise das 19h –, Orgulho e Paixão (2018) e, por fim, A Dona do Pedaço (2019). Quase emendou um trabalho no outro.

“Fiz muito coisa nesse período. Fiz protagonistas e tantos outros personagens legais. Cada trabalho é um tijolo que você vai colocando nessa construção, sabe? Sinto que fiz boas escolhas, aprendi com os erros e gosto bastante da minha trajetória. Sou movido por desafios, fiz cinema, teatro... Não sou mais aquele Malvino de Fina Estampa. Estamos sempre mudando, crescendo... Tenho diversos personagens que eu gostei muito de fazer, mas o último, o Agno (de A Dona do Pedaço), foi muito especial. Eu me diverti em cena e pude explorar do drama à comédia com ele.” Na trama, após anos casado com Lyris (Déborah Evelyn), ele resolveu assumir sua homossexualidade e engatou romance com Leandro (Guilherme Leicam).

O ator admite ser muito crítico com sua atuação. “Levo muito à sério o trabalho, estudo bastante as minhas cenas... Me dedico. Mas não sofro de ver uma cena que hoje faria diferente, porque tenho o entendimento de que hoje eu tenho mais experiência e vamos evoluindo com o passar dos anos. Assisto às novelas que eu fiz e me divirto com as cenas.”

Logo mais ele poderá rever outro trabalho, o Apolo, de Haja Coração. Na trama ele faz par romântico com Mariana Ximenes, a Tancinha. A trama remonta uma novela de sucesso, Sassaricando (1988). “Muito feliz em rever uma novela muito especial para mim. Em breve com a minha parceira Mariana Ximenes. O que vocês acharam?”, escreveu em sua rede social. 

Malvino não é mais contratado fixo da Globo. O vínculo será apenas por obra e ele deve também fazer uma participação na próxima temporada de Malhação, intitulada Transformação. O que vier, para ele, será para aprendizado. “Eu já fiz de tudo um pouco nesses anos de carreira. São quase duas décadas. Gosto de personagens que me tirem da zona de conforto, que me façam ir em busca de algo que não conheça... A palavra é desafio. Se existe um, eu quero estar dentro.”

 

MOMENTO

o ator tem curtido não só os trabalhos passados, mas também o momento. Segue na expectativa para chegada do filho, prevista para dezembro. “Foi uma surpresa para nós, porém, estamos felizes demais. A gente conversava sobre ter mais um filho, ou filha (risos), mas não esperávamos que fosse tão cedo. O momento é delicado, mas não estamos com medo.” Durante a quarentena, acrescenta, teve de adaptar a rotina de casa e dos negócios, já que ele e a mulher administram a academia Gracie Korie, no Rio de Janeiro.  “Estamos seguindo as orientações e os cuidados, mas minha opinião é a de que, com o aumento da capacidade de atendimento nos hospitais em algumas cidades, os negócios devem voltar a funcionar seguindo todos os cuidados e especificidades de cada região. Os mais otimistas avaliam que uma vacina estaria liberada em um ano, no mínimo. Seria impossível, economicamente, o País dar conta disso”, acredita. 

Tem descoberto alguma habilidade durante o isolamento? “Para ser sincero, não! Nossa família sempre foi unida, próxima... Temos uma rotina muita ativa com nossas filhas, então, isso não mudou. O que mudou foram algumas coisas que fazíamos fora de casa e trouxemos para dentro, como a prática de exercícios. E o acompanhamento do conteúdo da escola.”

Manter a união e os cuidados, no momento, é essencial para ele. “Tenho minha família como minha prioridade. Minhas filhas são os meus bens mais preciosos.” E qual é seu maior sonho hoje? “Ver minhas filhas crescerem, continuar trabalhando com o que amo... Ver também a nossa escola crescer e nossos alunos evoluindo. Quando passar dos 100 aninhos, vou adorar ver a família unida!” Que assim seja.




Diário do Grande ABC. Copyright © 1991- 2020. Todos os direitos reservados